terça-feira, 30 de agosto de 2011

Qual D.Sebastião, qual que....


Mais um jogo à Benfica no meio do nevoeiro da Madeira.

Notas da Madeira:

O Tacuara é mesmo teimoso o homem farta-se de marcar golos, assim sujeita-se a ouvir mais um coro de assobios de alguns cromos que vão assistir aos jogos na Luz.

O Artur Moraes voltou a desequilibrar para o nosso lado, o que para um guarda-redes é bom sinal.

Quase aposto que aquela cotovelada que o Witsel levou à entrada da área, se fosse sofrida por um dos jogadores da equipa da amarelinha, para além do jogador adversário ser expulso o árbitro marcava grande penalidade.

Fizemos um bom jogo, apesar de não ser uma exibição excepcional como a que fizeram contra o Twente, perante as adversidades o Benfica jogou à Benfica e venceu um jogo num campo tradicionalmente difícil.

Podia fazer uma festa por não termos sofrido golos passados 79 jogos, mas se levarmos em conta que foi contra uma equipa que ficou a zeros contra uma equipa da 2ª divisão inglesa... Se calhar não conseguimos grande façanha.

Foi uma sorte a baliza dos ruises alves ter aparecido na frente do Bruno César a meio daquela cavalgada. Estava a ver que o brasuca, com a velocidade que ia, se preparava para cumprir com o que disse quando cá chegou: SLB é só plataforma para ir para a Europa. Com tanto speed acho que vinha da madeira ao continente a caminhar sobre a água.

Continuo a achar que construir um estádio no topo de uma montanha que normalmente esta envolta em neblina é das coisas mais geniais da história do futebol português. Ou então é só uma homenagem ao D. Sebastião. É uma questão de perguntar ao LNEC, especialistas na fiscalização destas coisas.

Se eu disser que "com o resultado em 0-0 apareceu no meio do nevoeiro D. Cardozão para salvar o reino" estarei a ser muito básico? É possível, mas vou manter o que escrevi. Quem sabe que à pala disto não vou escrever para o record? Já cumpro os requisitos de "basicidade" mínima.

Por causa do nevoeiro o Artur só soube que o SLB estava a ganhar 1-0 ao intervalo quando chegou ao balneário e viu o Cardozo a fazer mais um corte no braço com uma catana, a juntar aos outros cento e tal que já tem.

Soube-se agora que afinal não houve nevoeiro na choupana. Aquilo que bloqueava a visão era o cabelo do Witsel. O puto esqueceu-se de aparar as pontas da afro e só ao intervalo é que o Jesus lhe emprestou a tesoura do cabelo dele para dar um toque mais penteadinho à coisa.

Num ano em que vamos jogar contra 3 ex. equipas do Cristiano Reinaldo, sabe sempre bem começar a tournée a ganhar à 2ª mais forte delas.

O Artur com aquele equipamento e com tão pouco trabalho parecia aqueles tipos palermas que se sentam no rail de protecção da auto-estrada com o colete vestido à espera dor reboque só porque encravaram o CD da Ana Malhoa no auto-rádio. Para quando um equipamento totalmente preto?

Portanto óh alcochetenses do lumiar.... Até pró ano pah! Foi um prazer estar com poucos pontos de vantagem de vocês, até já tínhamos saudades.

E pronto…Já estamos em 1º lugar juntamente com o braga, e não é um 1º lugar virtual como os comentadeiros estavam a fazer crer. A mim pouco me interessa que a agremiação tenha um jogo em atraso, os pontos é que contam e temos mais pontos que eles. Mas até compreendo a versão deles dos factos, se o jogo é contra a união de Leiria os pontos estão mais que ganhos antes de entrarem em campo, basta lembrarmo-nos do grande jogo que a união fez a época passada no antro de contumil.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Força Ricardo


Deixo para mais tarde um post mais elaborado com a minha apresentação, mando apenas para já a minha força ao eterno Ricardo Gomes que luta neste momento pela vida. Estamos contigo campeão



sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Champions

Ora aqui estão os grupos da fase de grupos da Champions.
No meu entender temos qualidade para poder passar em 1.º no grupo.




quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Nova Contratação...

Brevemente teremos um excelente escriba aqui no nosso canto, mais precisamente um grande treinador de formação...

Mas sobre isso ele fará as apresentações devidas.


P.S: Que jogão ontem, sem palavras ...

Noite de Gala



Uma grande noite europeia na Luz. O Benfica recebeu e venceu o Twente por 3 bolas a 1, com golos de Witsel (2) e Luisão e carimba com total justiça e momentos de classe o passaporte para a fase de grupos da Liga dos Campeões.

A superioridade do Benfica foi total e assente num forte conjunto, num jogo de equipa, solidário entre sectores e virado para a frente, para a baliza do Twente. A primeira parte foi de sentido único e não fora algum desacerto na finalização o Benfica devia ter saído para intervalo a vencer por 2 ou 3 golos de vantagem. Aimar ( para mim o melhor em campo), Cardozo, Gaitán e Nolito usufruíram de grandes oportunidades de golo não concretizadas.

Na segunda parte o sentido do jogo não mudou, só dava Benfica mas, com uma grande diferença: o Benfica não desperdiçou e colocou-se em posição muito favorável quando Witsel aos 67' minutos apontou o seu segundo golo do jogo e o terceiro golo do Benfica.

O Twente ainda reagiu ( Ruiz, um grande jogador marcou na Luz) mas nada podia inverter o jogo e a eliminatória.

O Witsel marcou dois golos e se calhar é o homem do jogo, mas quem me maravilhou foi mesmo o inigualável Pablo Aimar. É verdadeiramente um orgulho e um privilégio vê-lo jogar no nosso clube. Fez um jogo absolutamente fantástico, sendo o pivot de quase todos os nossos lances de ataque. Pareceu também estar numa forma física muito boa, tendo jogado os noventa minutos, o que nem é muito habitual. Claro que o Witsel é também um dos grandes destaques. É talvez o melhor reforço do Benfica esta época, não menosprezando os outros. Tacticamente é excelente, em qualquer função que lhe entreguem no meio campo. É bom na recuperação de bola e na construção de jogo. Mas o que mais me impressiona mesmo é a calma que revela em todos os momentos de jogo. A bola definitivamente não queima nos seus pés, e é quase impossível desarmá-lo, sendo frequente vê-lo sair a jogar ou entregar a bola jogável a um colega mesmo quando está rodeado de adversários. Grande jogo do Luisão, bem também o Cardozo numa missão de esforço, apesar de não ter estado feliz a finalizar, e talvez tenha sido o melhor jogo que vi o Emerson fazer desde que chegou ao Benfica.

Amanhã há sorteio e a Champions League espera por nós.

Boa exibição e cada vez mais equipa.... BENFICA SEMPRE!!!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A minha Equipa...


Deixo-vos aqui a equipa que no meu entender, permitira a passagem à fase de grupos da Champions...




















quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Twenty(á Futre) 2 - SL Benfica 2



Nota Prévia: Muito bom resultado!



O Benfica regressa da Holanda com um resultado positivo, após um jogo muito movimentado e agradável de seguir. No final fico com um sentimento misto de frustração e alívio. Frustração porque me pareceu que poderíamos ter praticamente sentenciado a eliminatória neste jogo, e porque acabámos por consentir o empate num lance irregular, mas alívio também porque as coisas poderiam ter corrido de forma completamente oposta, não fosse a noite inspirada do nosso guarda-redes a evitar um possível resultado negativo.



Benfica de regresso ao 4-5-1, com o Cardozo na frente, regressos do Maxi e do Luisão na defesa, e entrada do Witsel para o meio campo no lugar de um dos avançados. Logo a abrir, oportunidade soberana para marcarmos, num lance em que o Gaitán misturou talento e sorte em doses iguais e viu-se na cara do guarda-redes, mas permitiu-lhe a defesa. Quase imediatamente a seguir, ficámos em desvantagem, pois o Twente marcou num lance em que o De Jong recuou para fugir à marcação dos centrais, recebeu um passe longo, e rematou cruzado de fora da área. Estar a perder após seis minutos é um cenário bastante desfavorável, mas o Benfica manteve a organização e a calma. O Twente também não complicou muito as coisas, já que eles próprios quase que pareceram surpreendidos com esta vantagem obtida tão cedo, e procuraram fazer posse de bola à saída ou mesmo dentro do seu meio campo, sem arriscarem ou pressionarem muito. Isto resultou no período mais morno de todo o jogo, que foi subitamente interrompido aos vinte minutos, quando o incansável Aimar conseguiu roubar uma dessas bolas que o Twente procurava manter no meio campo, e colocou-a nos pés do Cardozo para o contra-ataque. O paraguaio foi por ali fora sem oposição, olhou para a baliza, e ainda de muito longe nem sequer chutou com a força que lhe é habitual: colocou simplesmente a bola de forma perfeita fora do alcance do guarda-redes, empatando o jogo.



O jogo animou claramente após este golo, e a resposta do Twente foi imediata, com o Artur a fazer a primeira das suas grandes defesas para negar o golo aos holandeses logo na jogada a seguir ao nosso golo. Com o Twente a arriscar mais no ataque, começaram a ver-se mais espaços de um e de outro lado, e consequentes jogadas a ameaçar perigo para qualquer uma das balizas. Mas jogada mesmo foi a que o Benfica fez para chegar ao segundo golo, quinze minutos após ter feito o empate. Tudo começou num lançamento lateral do Maxi, com a bola depois a passar quase sempre ao primeiro toque pelo Gaitán, Witsel, Cardozo, Gaitán e Witsel outra vez, e finalmente um passe de morte do belga para o inevitável Nolito rematar para uma baliza aberta e marcar o seu quarto golo em quatro jogos oficiais pelo Benfica. Se toda a jogada é fantástica, o pormenor do Witsel, com tudo para rematar à baliza e rodeado de defesas, ter tido a visão e a calma para fazer aquele passe para o Nolito é revelador da qualidade deste jogador. O mais difícil estava feito, mas não foi sem dificuldades que o Benfica conseguiu manter a vantagem até ao intervalo, pois o Artur foi obrigado a mais duas grandes defesas já muito perto do apito, primeiro a um livre do Ruiz, e depois a um remate de primeira do Landzaat que levava selo de golo.


Na segunda parte o Twente resolveu arriscar tudo, colocando logo mais um avançado em campo. O Benfica fechou linhas e encostou-se mais atrás, procurando eventualmente explorar todo o espaço que os holandeses deixavam para o contra-ataque, mas com isto foi sujeito a uma pressão constante, com várias bolas despejadas para a área ou as suas imediações, e algumas delas resultarem em lances de perigo. O primeiro deles até resultou da única falha do Artur no jogo, ao atacar mal uma bola, o que resultou numa confusão dentro da área que felizmente acabou por não dar em golo. O período mais 'louco' do jogo foram os últimos vinte e cinco minutos, depois da troca do Aimar pelo Saviola (a saída do Aimar já se adivinhava, mas esperaria a entrada de outro médio, e não de um segundo avançado). O Saviola não entrou bem, e nunca conseguiu pressionar e incomodar os adversários da mesma forma que o Aimar o estava a fazer. Com os holandeses a darem o tudo por tudo, o Artur foi obrigado a pelo menos mais três defesas de grande dificuldade, mas do lado oposto os espaços eram cada vez maiores, e em mais de uma ocasião o Benfica viu-se em situações de igualdade ou mesmo vantagem numérica perante os defesas do Twente, não tendo sabido aproveitá-las. Foi pena que a dez minutos do final, numa fase em que o Twente já parecia estar a perder o fôlego, tenhamos sofrido o golo do empate. O lance começa numa asneira do Maxi, que se deixou antecipar e perdeu uma bola que devia ser sua, e terminou com um cabeceamento do Ruiz para o golo. Há falta evidente do Ruiz quando salta à bola, empurrando e apoiando-se sobre as costas do Emerson, mas mais uma vez o árbitro de baliza aproveitou para mostrar que não serve para absolutamente nada. O empate pareceu satisfazer o Twente, que quase não pressionou mais até ao apito final, tendo cabido ao Benfica a maior oportunidade para desfazer o empate, com o Nolito, isolado após tabela com o Saviola, a não conseguir bater o guarda-redes Mihaylov.


Partimos em vantagem para a segunda mão, e sinto-me confiante que, somando essa vantagem ao factor casa, conseguiremos daqui a uma semana confirmar o apuramento para a fase de grupos da Champions. O Twente mostrou alguma qualidade no ataque, mas certamente não é uma equipa fora-de-série, estando perfeitamente ao nosso alcance. Basta que mantenhamos a concentração e soltemos o talento dos jogadores que temos.


Os jogadores



Artur: Foi o jogador da noite. Defendeu (praticamente) tudo o que havia para defender. Nos últimos 10 anos, é talvez o guarda-redes que tem demonstrado mais segurança para as redes da nossa equipa. Vamos ver se mantém o nível durante a época (eu acho que sim). Nota 9.


Maxi Pereira: Nota-se claramente que está a precisar de descansar, após a participação na Copa América. Continua com a mesma vontade e querer, mas a pernas não ajudam. A entrada de John, já na segunda parte, acabou com o que havia no Maxi. Nota 6


Luisão: Um capitão à altura da nossa equipa. Fez o que lhe competia. É um líder. Nota 7


Garay:Mais uma exibição conseguida do central argentino.Não complicou. Nota 7


Emerson: Depois da estreia auspiciosa frente ao Toulouse, tem vindo a decair de produção nos últimos jogos. Tem de estar alerta, já que Capdevilla está à espreita. Nota 6


Javi Garcia: Um jogo de força, a suportar o meio campo. Mostra que é um jogador à Benfica e que deixa tudo em campo. Nota 8


Witsel: Que classe. Que magia nos seus pés. A par de Nolito, é sem qualquer dúvida, umas das melhores contratações da época e será, certamente, uma referência para o clube no futuro. Será um dos 5 melhores jogadores do campeonato nacional esta época. Nota 8


Pablo Aimar: Já começam a escassear os adjectivos para qualificar os jogos de Pablo Aimar. É um jogador completo. Faz as acelerações do tempo de jogo como deve ser, é calculista e raciocina 10 vezes mais rápido que qualquer outro jogador. É enorme! Nota 8


Nico Gaitán: Mais um bom início de jogo do argentino, que durante a partida foi perdendo gás. Com a bola nos pés consegue desiquilibrar, mas sem ela, ainda tem fazer um esforço a defender. Nota 7


Nolito: Tem-se mostrado como a melhor contratação da época. Marca à 4 jogos consecutivos, o que lhe tem valido as melhores críticas. É irrequieto e uma flecha apontada constantemente às redes adversárias. É muito objectivo, característica dos jogadores formados no Barcelona. Nota 8


Óscar Cardozo: Troquem o Cardozo pelo Hugo Almeida e depois queixem-se que marcamos menos golos. Não é o melhor do mundo, mas factura quando é preciso. Ontem fez mais um grande golo, em jeito, fora dos seus registos habituais. Esforçou-se bastante e saiu esgotado já perto do final. Queremos este Cardozo durante a época. Nota 8


Ruben Amorim: Esforçado como de costume, entrou para ajudar o Maxi Pereira a travar as incursões pelo lado esquerdo do ataque holandês. Nada de mais a apontar. Nota 7


Saviola: Mostrou, há uns jogos, que teria capacidade e vontade de melhorar em relação á época passada. Foi sol de pouca dura. Continua bem abaixo do que é capaz. Com a chegada de Rodrigo, vai perder espaço e tem o lugar em perigo. Nota 6


Matic: Substitui Cardozo a 5minutos do fim, mas deveria ter entrado 20minutos antes. A sua entrada fez toda a diferença para equilibrar o meio-campo encarnado. Será um trunfo importante para segurar o meio campo e manter resultados que estejam na corda-bamba nos últimos minutos. Nota 6


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Finalmente

Hoje finalmente começa o tão esperado caminho para o 33º. Espero que entremos com os dois pés porque pelo que temos visto estes últimos anos temos escorregado bastante.
Uma baixa importante para o jogo desta noite, Cardozo, o nosso marcador de serviço não foi convocado, mas com certeza que Saviola e companhia vão dar para o recado.
Agradeço desde já a todos os Benfiquistas que lá poderam estar a puxar pelo Maior e faço um pedido, não assobiem a equipa.
Viva o Sport Lisboa e Benfica.